Santuário

Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu

09h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)

18h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
19h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
18h
- (Transmissão On-Line durante a quarentena)
Dia 28 - Festa de São Judas Tadeu

00h

04h

06h

08h

10h

12h

14h

16h

18h

20h

22h

Comunidade Santa Rosa de Lima

Domingo
09h - (Quando terminar a quarentena)
Quarta-feira
19h - (Quando terminar a quarentena)
Você está em:

O nosso interior é a nossa morada

Todos temos lugares secretos. No nosso interior moram geografias onde (quase) ninguém entra. Aí podemos guardar o melhor e o pior de nós. Viajamos por lá, tantas vezes, e esses lugares podem trazer-nos sorrisos fecundos e genuínos ou lágrimas infinitas de dor.

Em alguns lugares desse interior, corremos a sete pés para fugir deles. Passamos a correr com medo das memórias que nos trazem.

A memória é um sítio em que os acontecimentos passados e presentes ganham mais vida, potenciando ou boicotando o futuro.

As feridas da vida podem transformar-se em locais em que paramos muitas vezes para as lamber e não para as curar. Olhar para elas com amor e aceitação é parte do processo de cura. Olhar para elas sem procurar remédio que sane pode trazer-nos prejuízos. Caminhamos, como quem carrega constantemente um saco de lixo, não querendo libertar-se dele.

Cuidar das feridas, se querer tempo e acompanhamento de quem nos possa acolher com toda a nossa verdade e inteireza, requer também coragem. Precisamos de escavar as profundezas do nosso ser, de retirar o pus para não alastrar infecções.

Somos seres que carregamos uma história, pessoas e lembranças. Odores e sabores. Tudo isto nos pode fazer avançar ainda mais ou fazer-nos parar. Paralisar. Parar até que é bom. Paralisar não é. Parar para cuidar, para olhar com ternura e acolhimento. Para integrar.

Somos muitas vezes como as estradas que ao precisarem de manutenção apenas se lhes coloca outra camada de alcatrão por cima, sem fazer um tratamento profundo. Demorado. E ficamos sem saber muito bem como viajar dentro de nós.

Que não nos chegue ver-nos por fora!

O nosso interior é a nossa morada. É este que, em verdade, precisa de estar cuidado e de perene atenção.

VEJA TAMBÉM