Santuário

Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu

07h

09h
11h
18h
20h
07h
19h
07h
19h
07h
19h
07h
19h
07h
19h
07h
16h
18h
Dia 28 - Festa de São Judas Tadeu

00h

04h

06h

08h

10h

12h

14h

16h

18h

20h

22h

Comunidade Santa Rosa de Lima

Domingo
09h
Quarta-feira
19h
Você está em:

Por que o cuidado não é um trabalho?

Unsplash

O cuidado é uma atividade essencial para a vida em sociedade. Somos seres sociais só e somente só por que em sociedade cuidamos uns dos outros.

A ideia de contrato social tem como base um acordo de cuidado coletivo. O Estado foi criado para “cuidar” da sociedade, pelo menos no discurso…

Contudo, o cuidado é sistematicamente desvalorizado. Cuidar de crianças, idosos, pessoas com deficiência é visto como desagradável obrigação.

A solução, para quem pode, é pagar, mal, para que alguém cumpra a função. Ou, pior, simplesmente não pagar. Coincidentemente, ou não, quem cumpre o papel do cuidado é a mulher. A babá, a professora da escola infantil, a cuidadora de idosos. A mãe de primeira viagem, a solteira, a avó a doméstica.

E o cuidado humaniza tanto quem cuida quanto quem é cuidado. Pois, mostra que não prescindimos ninguém, pelo contrário, todas pessoas são imprescindíveis.

Visto como um trabalho de segunda categoria, ou ate mesmo um não trabalho, o cuidado reside no imaginário romantizado das tarefas femininas.

Logo, o papel subalterno do cuidado é um sintoma de adoecimento social, também um sintoma de machismo.

Marcel Farah
Educador Popular | Publicado em: Dom Total

VEJA TAMBÉM